Você já ouviu falar de armazenamento em nuvem? 

Se você sofre com falta de espaço na hora de armazenar seus arquivos digitais essa pode ser a solução para os seus problemas. 

Com esse recurso é possível alocar fotos, vídeos, músicas, documentos, jogos e aplicativos diversos num dispositivo de armazenamento situado fisicamente distante da sua casa. Mas como é que isso funciona?

Popularização do armazenamento em nuvem 

Voltando no tempo, quando se falava em armazenamento de dados digitais, cerca de 25 anos atrás, era preciso um disco físico – uma mídia que evoluiu dos extintos disquetes para CD’s, DVD’s, pen drives e HDs externos, ainda utilizados atualmente. Mas, convenhamos, a capacidade de armazenamento dessas mídias era limitada, assim como os arquivos eram diferentes (as fotos, por exemplo, tinham baixíssima qualidade e por isso eram arquivos relativamente pequenos).

A ascensão da computação em nuvem veio com a própria evolução da tecnologia – os aparelhos que utilizamos foram incrementados, os smartphones chegaram com tudo oferecendo diversos recursos e para melhor aproveitamento foi necessário cada vez mais capacidade de memória.

armazenamento em nuvem
Infográfico representando como funciona a sincronização dos dispositivos que formam o banco de dados de um servidor de armazenamento em nuvem. Criação: Macrovector/Freepik.

Apesar do termo Cloud Computing ter aparecido pela primeira vez em 1997, em uma palestra ministrada pelo professor de Sistemas da Informação Ramnath K Chellapp, a popularização do serviço veio alguns anos depois, a partir de meados de 2006, quando pequenas e médias empresas de tecnologia passaram a oferecer a ferramenta comercialmente para o grande público.

A partir de então foi possível armazenar arquivos digitais num HD online, o que permite flexibilidade e conveniência de ter acesso a eles em qualquer lugar, a partir de qualquer dispositivo. 

A tecnologia continua evoluindo para acompanhar a demanda crescente de públicos específicos como empresas e gamers.

Na prática, o conteúdo da nuvem é armazenado em um servidor, um conjunto de HD’s ligados em rede e abrigados nos data centers. Esses prédios já estão espalhados pelo mundo todo (gigantes como Google e Microsoft têm algumas dezenas deles) e são verdadeiras fortalezas, com vários níveis de segurança, tanto digital quanto física.

Serviços mais conhecidos do mercado

Atualmente há diversas plataformas de armazenamento em nuvem disponíveis no mercado, com possibilidade de criar contas gratuitas ou pagar para ter acesso a mais benefícios.

Um dos mais conhecidos, o Google Drive é muito popular entre os usuários do sistema operacional Android. O serviço permite armazenar até 15 GB de maneira gratuita, podendo fazer upgrade via assinatura paga para até 30 TB. O Drive é totalmente vinculado à conta do Google e pode ser acessado por meio de qualquer aparelho. 

Há pouco mais de um ano foi lançado no Brasil o Google One, uma plataforma ainda mais integrada de armazenamento expandido e integrado que passou a ser oferecida aos clientes Google com benefícios como o plano familiar, onde espaço e arquivos podem ser compartilhados.

 

 

Já o DropBox é um dos serviços de armazenamento em nuvem mais populares do mercado, que oferece 2GB de espaço gratuito que podem ser ampliados até 2 TB no plano Professional (pago). 

Um diferencial do serviço é a possibilidade de restaurar o conteúdo e remover os dados em caso de dispositivos perdidos ou roubados.

Exclusivo para usuários Apple, o iCloud disponibiliza 5 GB de armazenamento gratuito. Para aumentar a capacidade (que pode ser necessária considerando a quantidade de serviços oferecidos pela Apple), o usuário iOS tem que desembolsar R$ 3,50 ao mês por 50 GB, R$ 10,90 ao mês por 200 GB ou R$ 34,90 por 2 TB no Brasil. 

Uma das suas vantagens é a integração total com o iPhones, com backup automático que facilita o download de arquivos no caso da aquisição de um novo aparelho.

OneDrive é o serviço vinculado ao Windows, oferecendo espaço gratuito de 5 GB com a possibilidade de aumentar a capacidade por valores bem acessíveis. Além disso, quem assina o Office 365 Personal ganha 1TB de armazenamento no OneDrive.

 

Por Camila Mitye

Equipe Zap